É deixar ir...

A Constança é que pediu para ir para os escuteiros. Tenho de repetir isto a mim mesma várias vezes para ter coragem para a deixar ir. A 1.ª caçada foi 1 fim-de-semana, 1 noite fora a 20 minutos de casa e já me custou tanto...  não quero pensar no que me espera daqui a menos de 2 semanas! 
Inscrevemos no ACAREG, o acompanhamento de verão da Região de Lisboa, depois de lhe explicarmos o que era e lhe perguntar se queria ir. Recebemos um "sim" daqueles decididos. E se ela está disposta a arriscar, a sair da zona de conforto e ir numa aventura de 7 dias, 6 noites com a sua alcateia, quem sou eu para lhe dizer que não?! Tenho mais é de apoiar e de ficar feliz por ela, pela sua capacidade de ir, mesmo sabendo que vai ter saudades mas disposta a experimentar novas aventuras. No fundo todos sabemos que se vai divertir muito, que vai andar tão entretida que nem se vai lembrar de ter saudades, que vai fazer coisas diferentes e experimentar a sensação de liberdade e de autonomia pela 1.ª vez. Vai voltar diferente, mais crescida e muito orgulhosa de si própria, disso tenho a certeza. Pensar nisso faz parecer mais fácil mas ainda assim tenho o coração a encolher nesta contagem decrescente. Começo agora a sentir a "dor" do crescimento, de a ver crescer, fazer escolhas, aceitar as consequências, arriscar e ir... é como se o momento do parto se repetisse, com dor e alegria na mesma medida. E de repente só me vem à cabeça a descrição do parto mais justa de sempre: pensas que morres, mas não morres. Tão simples quanto isso. Sei que vou sobreviver e ficar com a sensação que é daquelas dores pelas quais vale a pena passar. Boa sorte Lobita do meu coração!

Comentários

Sandra disse…
A nossa Constancinha tem revelado que atrás da sua "pele de lebre" sempre alerta está uma grande leoa cheia de convicções... Que Deus permita que se mantenha assim!

Mensagens populares deste blogue

Dia Mundial da Doença de Parkinson

Parabéns maninha!

O milagre chamado Constança José