Hoje foi dia de meninas

Aproveitei para esticar a comemoração do dia de anos e hoje fiquei com as miúdas. Sendo dia de vacinas no centro de saúde, planeamos começar aí o nosso dia de mãe e filhas. Só não tínhamos previsto ser hoje greve da função pública!!! Uma pontaria do melhor... Falhou o público mas o privado mostrou a sua utilidade e lá despachamos a coisa no hospital da luz. Elas foram umas corajosas! Esta foi a primeira dose, daqui a 2 meses há mais. Nós pais também tivemos que ter coragem porque gastar quase 400€ assim num espaço de 2 meses é dose!!! Mas pela saúde vale tudo e ouvir a pediatra dizer que os casos têm aumentado e que havendo possibilidade mais vale prevenir para depois não chorar (há casos de morte ou de sequelas muito graves e irreversíveis)... Não há como não fazer o esforço. Já há tantas e tantas coisas que não controlamos, não vale a pena arriscar. Depois para desanuviar fomos bater perna no shopping, almoçar e para rematar uma sessão de cinema só para nós! Habituava-me a esta vida de dondoca...


Dia perfeito

Faltou o relato do meu dia de aniversário. Como já é tradição, a folga é geral porque fazemos questão de passar o primeiro dia de um novo ano na companhia da família e de preferência a respirar novos ou diferentes ares. O curso do Hugo não permitiu um programa alargado mas o passeio provou que o que realmente importa é a qualidade do tempo que passamos juntos. Fomos a Óbidos, que as miúdas visitaram pela primeira vez e adoraram!!! Depois almoçámos na tasca do Joel em Peniche, curiosamente aberta desde 1982 - precisamente o meu ano de nascimento!!! Depois à noite ainda tive a companhia dos pais e manos para ajudar a soprar as 34 velas. Pelo meio muitos telefonemas e mensagens de família e amigos que me fizeram, mais uma vez, sentir uma pessoa muito querida! Obrigada do fundo do coração!!! A sério que cada vez percebo menos as pessoas que não gostam de fazer anos... Há maior alegria do que celebrar a vida?!?!



Obrigada maninha

O dia de aniversário ainda não chegou e já recebi o presente do ano, o presente de uma vida - a minha. Um álbum de fotos, todas especiais, para me recordar do que realmente me faz feliz. Obrigada maninha por este presente tão especial, tão cheio de sentido, tão carregado de amor. Sou mesmo uma pessoa muito abençoada 💗

Boa sorte.

Quem ainda não leu este artigo tem de o fazer e partilhar com quem de direito... Perceber a diferença entre o "fazer" e o "ajudar" não devia ser tão difícil!!!

Parecem perguntas básicas...

Ontem, a propósito do aniversário da Avó Luz, a Constança fez-me 2 perguntas muito simples, para as quais não tive resposta: 
- A Avó Luz nasceu onde?
- Como se chamavam os seus pais?
Silêncio... porque a verdade é que não sei! E como é que só ontem me dei conta?! E como é que nunca pensei sobre isso?! Fiquei cheia de vontade de ter a minha avó ali ao pé de mim, para absorver o tanto que terá para contar, o tanto que ainda não sei sobre a sua história, que afinal também é a minha e a das minhas filhas. 

94 ANOS!!!

A querida Avó Avozinha faz hoje 94 anos! Quem me dera chegar a esta idade com a mesma lucidez e mente aberta da minha querida avó! É sem dúvida um exemplo de coragem, de força de vida, de capacidade de superação e a prova vivida de que mesmo sozinha é possível construir-se uma vida cheia. Ficou viúva muito nova (a minha mãe ainda era solteira) e assim de repente ficou sozinha, com 9 filhos, que com ela choraram a morte prematura do patriarca da casa. Desde esse dia que a única cor que veste é o preto, mesmo depois de terem passado tantos e tantos anos. O luto ficou para sempre, mas a garra e a força de viver vingaram e graças a isso viu prosperar uma família gigante mas feliz e unida, da qual todos nos orgulhamos muito. Netos são 20 e quase tantos bisnetos!!! Família grande que felizmente continua a ver crescer! Que venham lá mais uns quantos anos, com a mesma clareza e abertura de espírito. Muitos parabéns querida avó/avozinha!


O poder das imagens

São 62 as imagens que espelham emoções tão diferentes mas todas tão intensas. É nestes momentos que percebemos o poder e a verdade da expressão "uma imagem vale mais do que mil palavras".
http://observador.pt/2016/01/22/nao-mexer-humanidade-62-das-imagens-poderosas-da-historia/

É oficial

Hoje o Simão assinou contrato com o Sporting! O clube do coração da família da mãe e por isso um orgulho acrescido nesta nova etapa da sua vida. Estamos todos muito felizes com esta oportunidade!!! Pode não ser um CR7 mas será sempre o melhor do nosso mundo!!!

História inesquecível


Hoje ouvi pela primeira vez esta história e estou apaixonada. Talvez o facto de me ter sido lida pelo meu sobrinho Matias, que do alto dos seus 6 anos a leu de uma ponta à outra, com uma entoação e entusiasmo contagiantes! Duplamente maravilhoso 💙

Family LOVE

Hoje fomos lanchar a casa do Matias, para felicidade das primas e ser recebidos com desenho da família é daquelas alegrias que não se explica. É mais uma imagem que vale por mil palavras. Daquelas que vou querer guardar para sempre.


Parabéns Simão!!!

O Simão foi o primeiro bebé da minha vida. Aliás foi o Simão que despertou em mim o desejo de ser mãe. Até ele nascer tinha muitas dúvidas de ter em mim algum instinto maternal. Nunca fui de me derreter com bebés, menos ainda de ansiar tomar conta deles... Lembro-me por isso muito bem dos primeiros meses de vida do Simão, da primeira vez que lhe peguei, na primeira vez que lhe troquei a fralda, da primeira papa, do primeiro dente, dos primeiros passos... depois tive ainda a bênção de ser escolhida para madrinha! Tantas novidades, tantas emoções, tanto amor que foi crescendo. E quem diria que já lá vão 9 anos?!?! Acho que tenho vindo a repetir isto nos últimos aniversários, mas a verdade é que passa mesmo rápido caramba!!!!! Não tarda entra na fase do armário... até lá, nada como festejar mais 1 ano com tanta coisa boa!!! Amo-te muito!!!

Acredite-se ou não

Uma amiga falou-me que tem uma amiga que faz Estudos Numerológicos, ou seja, traça a personalidade de uma pessoa com base no seu nome completo e data de nascimento. Fez para os filhos e achou que bateu muito certo por isso fiquei curiosa e pedi para as minhas. Confesso que adorava ter uma bola de cristal para ver o que a vida nos reserva a todos, em especial às minhas queridas filhas! Não tinha nenhuma expectativa, apenas curiosidade e talvez tenha sido por isso que me tenha conseguido surpreender com as análises individuais que recebi. Acredite-se ou não nestas interpretações, não deixa de ser intrigante como é que uma pessoa que nunca viu nem ouviu falar das minhas filhas consegue emitir um traço de personalidade tão próximo daquilo que são?! São análises no mínimo interessantes, com algumas pistas de como irão crescer e desenvolver os seus pontos fortes e as suas fraquezas, apontando caminhos da construção das suas personalidades. Sem entrar em detalhes, e só para reforçar o quanto tenho 2 filhas tão diferentes, diz sobre a Carlota: "A Individualista", pertence ao elemento AR, terá como objectivo na vida conquistar a sua independência; sobre a Constança: "A Organizadora", pertence ao elemento Terra, gosta de organização e método naquilo que faz.

Tesouros

Hoje a Carlota ficou em casa depois de uma noite agitada, com mais uma visita da febre. A querida e doce Constança preparou uma surpresa na escola e quando chegou ofereceu-lhe este desenho "para ficares melhor Totinhas". 


Fiquei emocionada com a espontaneidade e o amor deste gesto tão simples mas tão cheio de tudo. Este vou guardar para sempre 💗


Constança, a "perfeitinha"

Quando a educadora escreveu na avaliação da Constança "muito perfeitinha, criativa e com grande sentido estético" estava a falar disto:


Pinta melhor do que eu e com uma sensibilidade e bom gosto que me batem aos pontos!

O aperto que nunca passa

Ser mãe é o melhor do mundo. Não tenho nenhuma dúvida disso, muito pelo contrário a cada ano que passa. Mas ser mãe é igual a ter um desafio constante ao longo de toda a vida. E eu tenho dois lindos e gigantes desafios na minha vida! São tão diferentes entre si que os desafios são totalmente diferentes... sinto-me cada vez mais uma mãe elástica, tal e qual a mãe do filme dos Incríveis. Se para a Constança tenho de saber ouvir nas entre linhas, ter uma sensibilidade super apurada (o que para mim é o maior desafio de todos! Já ouvi mais do que uma vez "pareces um elefante numa loja de vidros"...), conseguir puxar por ela para que consiga sair da sua zona de conforto mas sem a fragilizar nem expor demasiado; já com a Carlota o desafio é quase oposto! É fazer com que perceba que o universo não gira em torno dela e das suas vontades (mesmo quando me lança olhares de súplica, com aquelas pestanas gigantes que me derretem o coração), ajudá-la a conseguir gerir as frustrações e os momentos de fúria, conseguir dosear a atenção que precisa vs. a atenção que reivindica. Não é fácil!!! Nada fácil mesmo. E como se os feitios não fossem já suficientemente desafiantes, tenho ainda a questão da saúde da Carlota. O ano que passou ficou marcado pelas visitas mensais ao hospital, ora com febre, ora com febre + amigdalite, ora pneumonia, já para nem falar do ataque de urticária e do surto de varicela. Depois de ser avaliada pela pediatra (o nosso anjo da guarda na terra), imunoalergologista e otorrino, eis que chega o diagnóstico: a Carlota sofre de Síndrome de PFAPA, mais conhecido pelas febres periódicas. A boa notícia é que este síndrome não afecta o seu crescimento/desenvolvimento e é suposto passar com a mudança de idade. Era um diagnóstico possível e em aberto desde o verão passado mas que nos foi dado hoje como certo. E quando chega assim como uma certeza é que a ficha cai. Não é caso para dramatizar, felizmente não é nada que a impossibilite de ter uma vida normal ou que comprometa o seu crescimento, mas não deixa de ser uma moínha que nos vai continuar a atrapalhar, a dar noites mal dormidas, com reflexo não só, e acima de tudo, no bem estar da Carlota, como no de toda a família. É nestas alturas que o nó na garganta aperta e muito... e é mais uma prova de que a vida nunca pára de nos surpreender e que precisamos, cada vez mais, de ter capacidades de super-heróis.


18 anos

Pode dizer-se que o nosso namoro atingiu a maioridade. Faz hoje 18 anos que começámos a namorar. Foi no verão de 1997, (tinha eu 15 anos, ele 20), que num passeio ao Cabo da Roca os nossos olhares se cruzaram pela primeira vez. Depois disso já nunca mais nos largámos assim de vez. Uma visita de fugida aqui, um encontro ocasional ali, uns lanches combinados... até que chegou o dia 11 de janeiro e me convidou para ir ao jantar de aniversário da mãe. Foi buscar-me a casa e quando chegámos apresentou-me como namorada. Lembro-me como se fosse hoje da surpresa, da emoção, da sensação que afinal ia ser a sério. Tão a sério que já lá vão 18 anos, com tanta coisa para recordar, com momentos de pura alegria, outros de tristeza extrema. Quis o destino que entrasse na vida do Hugo precisamente no ano em que perdeu a mãe. Passados 3 anos foi a vez do pai e por isso os nossos primeiros anos de namoro foram tão intensos, tão íntimos, tão cheios de tudo. Serviram de base para uma relação tão profunda que não se explica. Também passámos por momentos de dúvida e incerteza... mas conseguimos superar as nossas diferenças e juntos formámos a família que somos hoje, da qual muito nos orgulhamos. Agora que os tempos da adolescência e da fase do armário passaram, estamos prontos para encarar a vida adulta cheios de energia, pragmatismo, seriedade, tranquilidade, cumplicidade e muito amor. 


Code Black

Segui a Anatomia de Grey desde início até à última tempora. Em fevereiro vou voltar a ver o que aí vem mas já com uma série totalmente pronta para a substituir de vez: Code Black. O primeiro episódio resultou muito bem comigo - estou fã. Próxima 5a não perco por nada. 

Avaliação da Constança JI

Ontem tive reunião da Constança com o balanço do 1.º período no JI. O resumo que a educadora fez dela é um retrato perfeito da minha filha. Está tudo tão certinho, a bater tão bem com a maneira de ser dela que até fiquei surpreendida. Estava habituada às avaliações de 3 páginas mas só com as cruzes do "adquirido" e "em aquisição" que basicamente não dizem nada concreto ou mais pessoal sobre o aluno. Gostei da descrição precisa, sem dramatismo mas verdadeira, que só mostra que a educadora já percebeu quem tem pela frente: "adaptou-se sem grandes problemas. Aluna atenta, concentrada, muito perfeitinha mas um pouco lenta (...) gosta de trabalhos de expressão plástica, revela criatividade e sentido estético (...)  calma e cumpridora das regras da sala (...) mostra dificuldade em expressar os seus sentimentos e emoções (...) revela muita inibição tanto com os adultos como com os seus pares (...) brinca com um pequeno grupo de amiguinhas mas não se expõe (...) não é muito autónoma na escolha dos materiais e atividades (...) não procura atividade que não domina". 
No fim fiquei para dar uma palavrinha e a educadora diz que é tudo normal, que é dar-lhe tempo, que este 1.º período foi a fase de adaptação à nova escola, colegas, educadora... para não ficar preocupada. Ainda assim fiquei de coração apertadinho... sei que o tempo fará o seu papel, que a educadora vai trabalhar com ela para a ajudar a superar as dificuldades mas também sei que quase tudo tem a ver com a maneira de ser dela. Ser tímida e insegura são características que não se apagam, que não se mudam assim com um clique. Podem ser trabalhadas, mas muito a pulso da própria pessoa. E é isso que me aperta o coração. É saber que por mais que a ajude, por mais que esteja presente, por mais que a vá espicaçando, não a posso mudar. Não consigo fazer por ela o esforço de se enturmar, de conseguir expressar o que sente e o que pensa... e isso dói muito no coração de uma mãe. No meio disto tudo, o que me deixa menos angustiada, é sentir que ela gosta  da escola nova, nunca disse que não queria ir. A presença do tio ajuda muito, temos isso a nosso favor! Enfim... Cá estaremos todos, eu e toda a família, para que se sinta sempre amada e consiga ultrapassar todas as dificuldades que cada nova fase lhe trouxer.

Mães, deitem fora a culpa


Dos mil estudos que se noticiam por dia, há aqueles que são construtivos e que acima de tudo apontam um caminho. "um estudo recente da Harvard Business School sobre os filhos de mães que trabalham, com um universo de  13 mil mulheres e 18 mil homens, de 24 países desenvolvidos, é a cereja no topo do bolo. As mães-trabalhadoras são tão competentes que as suas filhas têm quatro vezes e meia mais probabilidades de estarem empregadas, ocuparem cargos de chefia (mais 33%) e de ganharem mais (23%) do que as mulheres cujas mães ficaram em casa a tempo inteiro. Quanto aos filhos, são homens que se ocupam mais dos seus próprios filhos e dividem as tarefas domésticas."

Ser mãe e trabalhar não é fácil, aliás muito longe disso... mesmo as que ficam em casa, ou porque tem mesmo de ser ou por opção familiar, muito têm a fazer - em casa o trabalho nunca falta, ainda diz a minha mãe! Foi aliás com esse o exemplo que cresci: nunca vi a minha mãe sentada a ver televisão ou mesmo a tricotar durante o dia. Sempre com mil tarefas, as que precisam mesmo de ser feitas e as outras todas que inventa, que faz por gosto, sempre de um lado para o outro. Mas na nossa geração o ficar em casa é cada vez menos comum e em vez de isso ser encarado com uma evolução natural dos tempos, muitas vezes é visto como uma coisa má, que prejudica o papel de mãe, que nos faz sentir culpadas, que nos faz não querer ter mais filhos com medo do pouco tempo que temos para lhes dedicar. A verdade é que ficar em casa ou ser uma profissional com horário das 9h às 18h pode ser igual porque o que conta é a atitude, é o exemplo que se dá mas acima de tudo o amor que se põe em tudo o que se faz com e pelos filhos. 

É desta que vamos à Disney

Nunca fiz resoluções de ano novo. Gosto de fazer um balanço do que passou mas não tanto de tomar decisões ou assumir compromissos que não sei se vou conseguir cumprir. A vida já se mostrou muito volátil, cheia de voltas e reviravoltas para isso. O começo de um novo ano pode parecer um marco importante mas para mim o meu aniversário tem muito mais esse papel, de pensar para comigo o que gostava de fazer diferente, o que adorava mudar, o que desejo conseguir. É por isso que nestas alturas, quando vejo as listas de resoluções ou conselhos para "novas atitudes" de ano novo, nem costumo ler. Parecem-me sempre coisas ocas ou muito subjectivas. Até que ontem dei de caras com uma partilha que falava do Desafio das 52 semanas. Como não falava em "medida de novo ano" li e gostei. Fez-me muito sentido porque tem um objectivo, tem uma mecânica fácil e exequível. Requer esforço mas há recompensa garantida. Vou fazer batota lá para o meio, porque sei que em dezembro será impossível separar 50€ por semana, mas mesmo com alguns ajustes, no fim do ano sei que vou conseguir ter uma quantia ali disponível e pronta para ser usada. Mostrei o esquema ao Hugo e foi fácil convencê-lo a aderir também, ele que ainda por cima consegue andar com 20€ em moedas e nem perceber... combinámos levar a sério e fazer invertido (eu começo com semana 1 = 1€; ele na semana 1 = 52€). Já lhe demos um objectivo muito concreto e super emocional (ir finalmente à Disney) por isso tem tudo para dar certo!

Um bom começo

Retomámos as sessões de cinema logo no início do ano para ver se este ano mantemos o programa. Depois de março, assim que deixar de ser "mãe solteira", vamos voltar ao ritmo semanal. Até lá é quando dá... e sábado deu! Aproveitámos para cantar os parabéns à amiga Inês e desejar-lhe um novo ano cheio de coisas boas, de novos começos, de muitas alegrias e, já agora, de muitas saídas como esta!

Olá 2016

Queremos sempre que seja melhor do que o que passou. Desejamos sempre que a saúde não nos falte. Pedimos sempre paz e amor. O que eu peço do fundo do coração é que a família e amigos continuem a não me faltar neste novo ano. A união faz a força e acredito que juntos vamos conseguir ultrapassar os obstáculos que aparecerem, vamos festejar as alegrias que estão para vir. Juntos vamos continuar a escrever a nossa história. Feliz 2016