Parabéns maninho!

Mais uma coincidência que faz tanto sentido na minha vida: o meu irmão faz anos precisamente no dia em que se celebra o dia dos irmãos! Eu tive (tenho) tanta sorte por ser abençoada com os melhores irmãos do mundo! As minhas irmãs, as minhas melhores amigas, sempre lá para mim, desde sempre e para sempre - uma certeza (das poucas) que posso ter nesta vida. O meu irmão mais novo, de quem sou a mais próxima, não só pela idade mas também por afinidade, também faz parte desse núcleo de quem não duvido, de quem amo incondicionalmente e que também sei que está sempre lá (aqui ou onde for). Somos fãs uns dos outros, cada um com o seu estilo, com gostos tão diferentes mas que em comum sempre tivemos o amor de irmãos que nos une e que é capaz de ultrapassar todas adversidades desta vida. 
Hoje, neste dia especial para o meu querido maninho, só posso sublinhar todas as suas qualidades não só como irmão, mas como tio, como amigo, como professor, como companheiro. A quem o conhece só ouço elogios. Está sempre lá com um sorriso na cara e disposto a dar tudo de si ao outro. Não há qualidade maior no ser humano do que esta capacidade de se dar sem reservas. Mas o ser assim tem o reverso da medalha... nem sempre se recebe o tanto que se dá. Como tua irmã e amiga, de quem vais sempre ouvir a verdade de quem te ama, (mesmo quando não a queres escutar), o que te desejo de todo o coração é que sejas feliz. A vida é curta para perder tempo com menos do que merecemos por isso segue o teu caminho, de coração aberto, com a certeza de que faças as escolhas que fizeres, estaremos  sempre aqui. UM POR TODOS E TODOS POR UM.

Dia de Filha Única

Sábado foi um dia em cheio! Deu para tudo: exames de rotina, compras, piscina, almoço e... um dos programas mais aguardados do ano: a ida à Feira do Livro de Lisboa! Este ano fomos só as 2 para aproveitar o passeio com mais calma e dedicação porque apesar da Carlota também gostar, não vibra da mesma maneira, tanto pela idade como pelo interesse pela leitura. Já a Constança, apesar de não ter herdado a fisionomia da mãe, herdou este gosto gigante pelos livros, pelas histórias, pelo poder da imaginação. E é uma leitora exigente! 1.º observa, depois folheia e só se gostar mesmo é que pergunta se pode ter. Mesmo sob pressão das minhas sugestões (sempre de olho no preço - que gostar de livros não é para os mais pobres...), mantém as suas opiniões firmes e se não for do seu agrado, não há quem a convença. Acabou por escolher um livro de atividades, "O pónei brilhante" para a colecção da Princesa Poppy e outros 2 muito giros do género onde está o wally, "Cucu! Onde está a Zebra?" e "Cucu! Onde está a ovelhinha?" para a Carlota, que mesmo não indo, não saiu do pensamento da mana, sempre tão carinhosa e preocupada em conseguir encontrar o livro perfeito para a sua Totas. Foi um dia em cheio que me mostrou o quanto é importante sair da rotina e ter tempo de qualidade com as minhas filhas. Neste dia com a Constança, noutro com a Carlota, noutros em família, mas com tempo para conversar, para passear, para ouvir, para descobrir, para crescer, para descontrair. Para tanta coisa, na melhor das companhias. 



Truques há muitos

Truques e dicas é coisa que não falta, o problema na maioria das vezes é ter paciência, perseverança e coragem para os pôr em prática. Dos 15 que o site motivacional "The power of positivity" recomenda, através de ilustrações muito fofas, escolho esta. Talvez por ser a que no meio de todos sempre tenhamos conseguido cumprir. Que as décadas continuem a passar por nós :)


Bom filme

É daqueles filmes sem grandes efeitos, sem grandes enredos mas com bons actores e, acima de tudo, com uma boa história. Tão verdadeira e real que basta para prender a atenção. Um bom filme que mostra o poder do dinheiro e da comunicação, que juntos podem destruir a vida de pessoas comuns. Este é daqueles que vale a pena ver, seja no cinema ou em casa. Pela verdade que pode matar.


8 anos!

Faz hoje 8 anos que trabalho no Insight, o departamento mais coeso, mais unido e estável da agência (IPG Mediabrands PT)! E tem sido um orgulho fazer parte desta equipa, que neste últimos 8 anos me viu ser mãe, não 1 mas 2 vezes, que me aturou com hormonas aos saltos, antes e depois da gravidez. Que me tem aturado com noites mal dormidas; nos dias em que não paro de falar, mas também nos que não tiro os fones. Todos temos dias bons, outros maus mas temos conseguido trabalhar em conjunto e vencer todos os desafios desta área tão desafiante e em permanente mudança. Obrigada querida equipa por estes 8 anos de tanta coisa boa!


T.P.C.

Na contagem decrescente para a chegada do 1.º ciclo, o meu maior receio são os T.P.C. A Constança é super aplicada mas naquilo que gosta e, como todas as crianças, quando está para aí virada. Este ano trouxe algumas vezes trabalhos de fim-de-semana e já deu para ficar com uma ideia de que vamos ter chatices... Idealiza as coisas de uma maneira, mas se na concretização não corre de acordo com a sua ideia temos tudo estragado... fica frustrada, amua, eu enervo-me (coisa nada difícil diga-se de passagem) e é um drama para chegarmos a bom porto. Este fim-de-semana trouxe 2 folhas, 1 para explicar porque a família é especial; outra para ilustrar com quem é parecida e contar alguma peripécia de quando era mais bebé. Sábado disse-lhe para aproveitar para fazer logo o trabalho mas quando a avó lhe disse se queria passar lá a tarde, não pensou 2 vezes. Domingo foi dia de passeio por isso os trabalhos ficaram para final de dia, quando já estava cansada e sem grande paciência... não houve drama porque desenhar é coisa que adora, mas sei que podia ter feito bem melhor! Começou por desenhar os tios, os avós mas como nunca mais acabavam... começou a despachar a coisa, de tal forma que os que ficaram para o fim quase não couberam!!! Ainda lhe disse que talvez fosse melhor terminar no dia seguinte e levar para a escola na 3.ª feira mas disse-me logo que nem pensar! "Quem não leva na 2.ª são os atrasados!" Aprendi a lição: nunca deixar trabalhos para domingo à noite!!!


Tirando o stress da pressão, fiquei feliz com as escolhas da Constança que considera que a nossa família é especial porque somos muitos e muito amigos! Fiquei emocionada com a ternura da sua escolha... da outra folha fica a faltar o registo, porque me esqueci de tirar foto, mas disse que era parecida com o pai porque "quando sorrimos os nossos olhos ficam iguais" e na situação engraçada desenhou o pateta porque quando fez 2 anos perguntávamos "Constança o teu bolo vai ser da Mini ou da Margarida?" ao que respondia sempre "Do Pateta!!!". E claro está que fizemos a vontade da menina!

Domingo bom!

O sol faz maravilhas! Quando está bom tempo a disposição muda porque mudam também as oportunidades de aproveitar os dias em família. Fomos até à Nazaré, com o pretexto de ir ver o campeonato mundial de jetski, mas nem as ondas estavam à altura nem o nosso interesse esteve para aí virado. Aproveitámos para almoçar um bom peixe fresco, pôr a conversa em dia com os amigos de longa data mas com quem não estamos assim tantas vezes e, acima de tudo, para brincar na areia! Soube mesmo, mesmo bem!!!





Alto lá!

Esta semana está a decorrer a semana da família e por isso os pais estão convidados a ir à sala fazer uma atividade de escolha livre. Lá em casa decidimos contar uma história mas não uma qualquer... elegemos a que mais sucesso continua a fazer, mesmo depois de já a sabermos de cor! Eu e a Constança empenhámos-nos nesta tarefa e para além de ensaiar a leitura (ela dizia a parte do "Alto lá!", fizemos uns marcadores de livros para oferecer no fim, para ficar de recordação. Preparámos também uma pequena brincadeira, que correu lindamente: antes de revelarmos o assustador Cuquedo pedimos que cada um desenhasse a personagem tal como a imaginava. E apareceu de tudo! Monstros assustadores, pequenos bichos, fantasmas de todas as cores e também o temível, o terrível e pequeno cuquedo :) Foram 30 minutos do meu dia que me encheram de uma alegria inexplicável. Tanto pela participação numa atividade aberta à família, como pelo entusiasmo dos miúdos mas acima de tudo, e mais importante que tudo, pela felicidade da Constança! Amei vê-la toda orgulhosa a contar a história ao meu lado, super segura a distribuir as folhas para os desenhos e mega feliz a oferecer os marcadores que ela própria ajudou a fazer. Numa altura em que tanto se fala que é preciso que os pais tenham mais tempo para estar com os filhos, são iniciativas destas que fazem sentido serem promovidas pelas escolas e respondidas pelos pais, que para além de tempo precisam também de entusiasmo e dedicação para apostar em tempo de qualidade com os seus filhos. Fica a partilha, na esperança de repetir a experiência e de mostrar que uma coisa tão simples, como o de contar uma história que até já se sabe de cor, pode resultar tão bem!


Fatos de banho não são para velhas

Para quem ainda acha que usar fato de banho é coisa de velha que fique a saber que está na moda e não é de agora. Usar fato de banho não é (não tem de ser) uma opção só para esconder a barriga. Para mim serve para isso mas acima de tudo porque me faz sentir muito, mas muito mais confortável e gira também. Não estou acima do peso mas a minha aversão ao exercício físico ajuda a que tenha muitas peles mas nenhum músculo definido, menos ainda os que povoam a minha zona abdominal. E para quê andar de pareu quando me levanto, a encolher a barriga nas deslocações entre toalha-água ou, a pior de todas, sentar-me e mostrar que não tenho 1 mas 3 barrigas bem redondinhas?! A sério que não aguento... prefiro mil vezes os meus fatos de banho que me deixam sempre "arrumadinha", pronta para me esticar na toalha, para me levantar, sentar ou fazer castelos na areia com as minhas filhas sem estar preocupada se tenho metade da mama de fora ou a revelar parte do meu traseiro. Se experimentarem vão perceber que para além de haver para todos os gostos, feitios e preços, ficam tão bem ou melhor do que com os biquínis à brasileira ou cuecas da avó ;)

Sugestões no Observador:
 Vamos à praia. 30 fatos de banho que fazem esquecer o biquíni

Ginásios? Não obrigada

Não gosto mesmo. Já experimentei mais do que uma vez, com companhia, sozinha, perto do emprego ou para ir ao final do dia a caminho de casa. Com aulas de grupo ou só máquinas e a conclusão a que chego é sempre a mesma: não é para mim. As pessoas não nascem todas iguais, nem com os mesmos gostos e ainda bem. Não gosto por várias razões: o ambiente, o cheiro a suor, os uivos dos que levam tudo muito a sério, das aulas de grupo em que cada um vai ao seu ritmo, das máquinas suadas e do cheiro a gente. Não gosto mesmo. Canso-me só de pensar. E isso aplica-se a qualquer atividade desportiva, tenho a confessar... devo ter nascido cansada, eu sei... faz-me falta, também sei. O corpo agradecia bastante mas falta-me o tempo mas acima de tudo a vontade. Simplesmente não me apetece, não está na minha lista de prioridades na ocupação dos tempos-livres. O máximo que consigo obrigar-me a fazer é sair na hora de almoço e dar umas voltas aqui ao quarteirão, que sempre arejo as ideias e ajuda a esticar as pernas. E mesmo assim chego cansada, com vontade de tomar um duche relaxante e dormir a sesta em seguida. Não digo que estou certa, conheço muito boa gente que adora ir ao ginásio (pelo exercício físico, por mais nada) e que adora, que incentiva e que assegura que é uma questão de hábito. A mim não me convencem. Não gosto por experiência já comprovada e não me parece que vá mudar de ideias. Sobretudo depois de ler este retrato tão verdadeiro dos aficionados: "10 tipos de pessoas nos ginásios". 

Que venha para ficar

Refiro-me ao sol e ao calor! Preciso desesperadamente de finais de dia ainda com luz; de dias de sol quente e de cheiro a primavera/verão; de manhãs sem nuvens que prometam um dia de calor; de dizer adeus aos casacos de inverno; de poder sair de casa só com um casaquinho de malha; de poder mostrar os dedos dos pés; de apanhar sol na cara, no corpo todo para deixar para trás a palidez do inverno; de secar roupa num só dia; de arejar todas as divisões da casa. De tanta coisa simples, mas que pode fazer tanta diferença no espírito de uma pessoa.

As amigas fashion

Comadres fixes é o nome do nosso grupo no whatsapp, onde trocamos mensagens por tudo e por nada, sejam recados, desabafos, combinações, cusquices... vale tudo, mesmo tudo! Somos amigas há 15 anos, desde a faculdade e desde aí nunca mais nos separámos. Temos momentos em que nos vemos todas as semanas, outras fases em que se passam meses sem nos cruzarmos. Mas estamos ali, sempre umas para as outras, à distância de uma mensagem no whatsapp ou de um telefonema. São estas amigas que me levam sempre a conhecer os sítios da moda, que me põem a par das novas tendências, do que se usa do que está totalmente proibido, que me põem blush antes de sair do carro, que me dizem na cara "estás a precisar de fazer alguma coisa a esse cabelo". São amigas de verdade, que por vezes me fazem sentir a "sopeira" do grupo mas de uma forma construtiva, nunca ofensiva. Querem o melhor de mim e acreditam sempre que vou conseguir. Não me deixam acomodar ao "peso da idade" e estão sempre prontas para me darem os abanões que forem precisos, em todos os aspectos da minha vida. E é por isso que simplesmente nem imagino a minha vida sem elas. Sem as tiradas da Ana Marta, sempre sem filtro; da compreensão ilimitada da Inês; da racionalidade pura da Isa. Somos uma equipa que leva a amizade a sério!


Adorei conhecer o Palácio Chiado :)

O peso da idade

Sempre gostei, e continuo a gostar, de fazer anos. Pelo fecho de um, pelo começo de outro. Isso continua a fazer todo o sentido para mim. Mas o que começo a sentir agora, e que até aqui nem compreendia, é a angústia, a incapacidade de fazer o tempo desacelerar. No próximo ano faço 35 e o Hugo 40! São números redondos, que vamos querer festejar claro está, mas que nos deixam já num patamar de "adultos à séria". Não sei se consigo descrever o que sinto, mas parece que se deu um clique dentro da minha cabeça... começo a deixar de me sentir uma "miúda", com pinta de "miúda". A média de idades aqui da agência começa a ficar perigosamente abaixo da minha, quase todos sem filhos, todos muito jovens e com ar disso mesmo: jovens! Naquelas adivinhas de "que idade me dás" ou acertam na muche ou apostam sempre para cima, raramente para baixo... não que me sinta "velha", nada disso, mas a questão é que já pareço a idade que tenho (ou mais...), já começo a pensar  que quando a Constança tiver 10 anos, já estarei na linha dos 40, quando atingir a maioridade já estou à beira dos 50 e assim por diante, a roda da vida implacável, sempre a girar sem parar. De repente a minha filha mais velha já vai para o 1.º ano!? A minha filha mais nova troca de roupa com as amigas e tem uma vida social quase mais ativa do que a minha?! Engraçado que enquanto eram mais pequenas dava por mim a ansiar que a fase das fraldas acabasse, que começassem a andar, a comer sozinhas, a dormir a noite toda e de preferência nas suas próprias camas. Mas à medida que vão ganhando autonomia começo a sentir a vertigem do crescimento, a perceber que já "vivem" sem mim, que conseguem adormecer sozinhas, que têm opinião e fazem questão de se fazer ouvir, que têm medos e segredos e angústias, muitas perguntas e curiosidades e sonhos... um mundo nas suas cabeças que não é a minha e na qual não consigo entrar. E de repente tenho saudades do tempo em que lhes pegava ao colo e embalava até adormecerem num sono tranquilo. Tudo tão mais simples!!!! Ser mãe é sem dúvida o maior e mais maravilhoso desafio da minha vida e só desejo conseguir cumpri-lo da melhor forma possível, mas de preferência a um ritmo que consiga acompanhar.

Jantar histórico

Quando vou jantar com as amigas tenho sempre a preocupação de deixar jantar pronto para os que ficam em casa, nem que seja pelo menos sopa. Isto porque conheço o marido que tenho e a sua incompatibilidade com a cozinha - não sabe, não gosta, não se esforça. Também não reclama por isso se não deixar nada, jantam torradas ou cereais e fruta e bolachas e o que mais houver que seja simples e que dê o menor trabalho possível. Fome sei que não passam. Mas na 6.ª as miúdas não satisfeitas com a sopa pediram (imploraram) salsichas e o pai claro que não conseguiu dizer que não... ligou-me a saber onde estava a frigideira; depois onde estava o óleo; a seguir que n.º devia usar na placa do fogão... a sério?! Mas esta pessoa vive lá em casa?! Lá se orientou e basta olhar para a cara das pequenas para perceber o quanto ficaram felizes por este jantar épico lá em casa!



Muitos parabéns Bruno!

Fomos colegas de catequese, fizemos a 1.ª comunhão juntos, sentados ao lado um do outro, que coincidência engraçada! Depois ainda nos cruzámos na escola mas nunca, em momento algum desses nossos tempos, imaginámos vir a ser cunhados. Conheci entretanto o André, que me apresentou ao Hugo uns bons tempos depois e que conheci por mero acaso, quando se juntou sem aviso para um passeio de mota ao Cabo da Roca. Só depois é que percebi que eram irmãos do Bruno. Portanto, o primeiro da família Vaz que conheci foi mesmo o Bruno e não podia ter começado de melhor forma! Aliás, às vezes ainda brinco a dizer que falhei o alvo, já que ao contrário do meu querido marido, o Bruno cozinha, limpa a casa, passa a ferro e tem uma paciência infinita nas compras! O oposto do irmão do meio, que tinha de ser o pior dos 3 nestas áreas... enfim, obra do destino! Mas voltando ao mais importante: hoje é dia de festejarmos mais um aniversário em família, a que se junta a alegria e excitação dos sobrinhos que adoram este tio! Com ele vale tudo o que quiserem, tudo o que pedirem. E esta generosidade não é apenas com as crianças, está-lhe no sangue. Admiro-o por isso mas também por não gostar de discussões, por estar sempre disponível para os irmãos e para a família e amigos, sempre pronto para ajudar, para partilhar, para o que for. Sempre e sem reservas. Muitos parabéns querido amigo, cunhado, tio e padrinho! Gostamos muito de ti!!!!


Troca de lâmpadas na EDP


Partilho esta iniciativa porque acho super interessante para quem ainda tem lâmpadas de halogéneo, que gostam bem mais do que as de LED mas que são incomparavelmente mais baratas... lá em casa, das 20 espalhadas pela casa só uma meia dúzia já são de LED, sendo que outras tantas se encontravam fundidas... peguei em 12 (incluindo as fundidas) e trouxe à loja da EDP para fazer a troca. Sou daquelas consumidoras atentas a estas campanhas/promoções mas sempre de pé atrás, desconfiada de que quando a "esmola é muita, o santo desconfia".... mas neste caso não há aqui nenhum truque! Funciona mesmo!!! Bastou dizer o contribuinte, entregar o meu saco com as 12 lâmpadas de halogéneo e receber 12 novas lâmpadas de LED por 17.71€. Acho um óptimo negócio! Aos interessados, mexam-se antes que o stock acabe...

Nem quero imaginar na adolescência...

A Carlota chegou a casa com umas calças vestidas que não eram as dela, as que lhe tinha vestido de manhã e claro que percebi logo porque apesar de serem também de ganga, tanto a cor como o tamanho eram diferentes. O pai quando a foi buscar nem reparou (homens!?!?), apesar das calças estarem com umas 3 dobras (tam. 5/6 quando a Carlota veste o 3/4). Mas o engraçado nisto tudo é a origem da troca: 
Eu: então Carlota estas calças não são tuas... o que aconteceu?
Carlota (com o ar mais tranquilo do mundo): troquei com a Inês.
OI?!?!? 
Dormem a sesta lado a lado e na hora de se vestirem, decidiram trocar! Tão simples quanto isto.
Entretanto falei com a educadora e ainda nos fartámos de rir porque ela diz que nem se deram conta da troca mas o que ainda estão para perceber é como é que a amiga Inês se conseguiu enfiar nas calças da Carlota!?!? 
Enfim... se isto é assim no 1.º ano do jardim de infância, nem quero imaginar na adolescência!!?!

Dia da Mãe

Parece cliché mas a verdade é que Dia da Mãe são todos os dias! Estas datas especiais ajudam-nos a expressar esse amor que é tão incondicional, tão imensurável, tão intenso, tão verdadeiro, tão incomparável. Sinto-me uma verdadeira abençoada por ter a minha querida mãe na minha vida e por ter as minhas lindas filhas, que a cada ano que passa me deixam cada vez mais feliz e orgulhosa. O desafio vai crescendo com elas, vão mudando as dúvidas, as angustias... mas estamos juntas nesta relação de mãe-filhas, em que de cada lado há uma entrega total e absoluta. Que as próximas celebrações deste dia sejam como esta que passou, simples mas com a família completa!





E estes são os presentes que fazem sentido neste dia: 

A Constança fartou-se de trabalhar! Uma garrafa decorada, dentro de uma caixa também ela ilustrada + um ramo de flores pintado e um postal com o desenho de nós as 2.
A Carlota ofereceu uma moldura diferente, em que cada face tem uma foto nossa! Lindas e habilidosas as minhas filhas!!! 


Baby Shower PM

Foi uma estreia para mim. Nunca tinha participado em nenhum, menos ainda promovido ou organizado um evento destes! Mas a amiga Ana Marta merecia uma celebração em grande porque nunca escondeu o desejo de ser mãe e sempre teve muitas amigas a torcer pela chegada deste momento na sua vida! O grande desafio foi conseguir juntar todas, dos diferentes "grupos": seja as de infância, da faculdade, de trabalho ou de outros caminhos. O importante era reunir todas as amigas para celebrar a chegada do bebé da nossa amiga. E é nestes momentos que a magia do Facebook acontece!!! Convidar e mobilizar 40 pessoas para um evento no espaço de 1 mês, sendo que não conhecia nem 1/3... só mesmo através da rede social, que felizmente a grande maioria utiliza! Assim foi fácil criar um grupo privado, para que a surpresa fosse completa, começar a enviar convites e a mobilizar as amigas que, em cumplicidade com o Vasco, achámos que ela gostaria de ver numa festa como esta. Feitos os convites, dividimos tarefas de acordo com as habilidades e disponibilidade de cada uma e a magia aconteceu!!!! Ela achava que ia ver um espectáculo da Constança no Parque Quinta das Conchas mas quando chegámos encontrou um grupo gigante (umas 40 ou mais!) de amigas que a recebeu com bolinhas de sabão e um cenário digno de um baby shower de qualquer vedeta! Fiquei super feliz por ter feito parte desta iniciativa, por ter tido o privilégio de estar ali ao pé do seu coração acelerado de espanto, de alegria, de felicidade! Vai parecer exagero, mas é a pura verdade: esta gravidez foi tão aguardada, tão desejada que a sinto quase como minha! Estou ansiosa por conhecer o Pedro Manuel!!! Finalmente a amiga Ana Marta junta-se ao clube das mamãs e será só mais uma coisa a juntar às mil que nos une! Parabéns minha querida amiga - mereces toda a alegria deste momento!