O barato não tem de ser mau

Não se aplica a tudo, mas a verdade é que cada vez mais o ser barato não é sinónimo de ser mau, de não ter qualidade. Pelo contrário e ainda bem! Sinal de que a concorrência só beneficia os consumidores. Esta ideia é difícil de combater em algumas categorias, como a comida e produtos de higiene. Se me perguntam se olho para a marca do detergente do chão, dos sacos do lixo ou dos blocos sanitários, a resposta é não - só olho para o preço e o que for mais barato é aquele que compro. Agora se falamos de um creme, de um shampoo ou de um baton hidratante... confesso que sou bem mais resistente. A minha veia de consumidora desconfiada, que tem bem enraizado o conceito "ninguém dá nada a ninguém", fica sempre em modo cauteloso e na dúvida prefiro não arriscar. Mas a verdade é que sempre que arrisco não vejo assim tanta diferença. Depois aparecem estudos como o da Deco, que testa uma série de marcas e percebe que a mais barata até é a melhor, e desce em mim a veia racional e me convence que o preço (seja caro ou barato) não tem de ser critério absoluto de nada, menos ainda o nome da marca ou o local de compra. Engraçado como isto é cada vez mais verdade nos produtos de supermercado (comida, limpeza, higiene, etc) e menos no vestuário. Seja roupa ou sapatos o barato sai caro para quem compra pouco. Para as miúdas já me convenci que não vale (mesmo) a pena investir em roupa do dia-a-dia, que volta todos os dias em estado de guerra. Já ténis/sapatos é outra conversa... se forem muito baratos sobrevivem muito pouco tempo mas também os mais caros acabam por ficar numa lástima, já para não falar da "sincronização" com o crescimento do pé... é estar atenta às promoções e à qualidade dos modelos e apostar ali no intermédio. Já para mim, por um lado acredito que mais vale ter pouco mas bom, mas por outro, como custa tanto comprar o que é realmente bom, acabo por ter quase nada, o que também não funciona! Agora que custa horrores a pessoa gastar dinheiro numa camisola, usar um par de vezes e dar conta que está boa para "andar por casa"... não se aguenta! Enfim... em resumo de conversa, vale a pena apostar na qualidade, independentemente da marca. O segredo está em saber filtrar e eu ainda tenho muito para aprender.

Sem comentários: