Não estou sozinha no mundo

Sei que não estou sozinha quando sinto que ser mãe é a melhor coisa do mundo mas não é o mundo em si. Há vida para além de mim enquanto mãe porque também sou pessoa, mulher, amiga, colega, esposa, filha, irmã, cunhada, prima, tia... amo ser mãe mas não me revejo nada nas mães que são (e querem ser) apenas mães. Não que seja coisa pouca! Mas já antes de ser mãe tinha uma vida e não sou daquelas que diz que a vida só começa quando se tem filhos. Nada disso... aliás um dos meus maiores pânicos antes da Constança nascer era pensar que a Telma que conhecia estava a meses de desaparecer, a imaginar que me transformaria apenas e tão só na Mãe da Constança. Sou-o com todo o meu amor e orgulho, e gostei tanto que até repeti a experiência! Mas continuei, e continuo, a ser a Telma, que gosta de ir ao cinema com as amigas, que adora o silêncio da noite para ver as séries que sigo ou para ler um livro, que gosta de ter tempo para escrever, que sonha com viagens a dois, que continua a ir às compras sozinha, que ouve rádio no carro e não CD's infantis, entre outras coisas que fazia antes de ser mãe e que continuo a fazer, agora, depois de ser mãe. Confesso que as mães que só falam nos filhos, focadas que estão não na vida delas mas na dos filhos me enjoam! Parecem não ter nenhum interesse por outros temas que não sejam as atividades extra-curriculares, as doenças que andam nos colégios, os xaropes para a tosse, os alimentos proibidos, as novidades da estação na Zara Kids ou o relato dos prodígios infinitos das suas crias... medooooo! Claro que depois de ser mãe as prioridades mudam mas acredito que é apenas um realinhamento, uma gestão mais complicada mas possível! Quem concorda com esta visão vai gostar deste novo blogue Amãezónia - Ter filhos é uma vida selvagem porque trata a maternidade sem filtro, como ela é, com o bom e com o mau, chamando as coisas pelos nomes. Fiz o teste e confere... sou uma completa e total Amãezónia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O milagre chamado Constança José

Wooowwww

Quando a morte espreita...